Home » PC » Brothers A Tale of Two Sons Review

Brothers A Tale of Two Sons Review

Em Brothers A Tale of  Two Sons não tem explosões, perseguições de carros e tiroteios, apenas dois irmãos explorando um mundo de fantasia em uma busca da cura para seu pai doente. Não há diálogo, mas tudo isso acontece em uma língua fictícia, não há legenda, o máximo que você pode fazer é ler a linguagem corporal dos personagens, interpretando-o da mesma maneira que você interpreta uma cena de um jogo LEGO. Os personagens não têm sequer nomes e não há música, mas consiste em grande parte de movimentos básicos de acordes, evocando tranquilidade em alguns momentos e tensões em outros.
Em um jogo menor, tudo isso equivaleria ao tédio. Mas mesmo depois de se limitar a essa forma de jogo, Starbreeze Studios e o diretor de cinema sueco Josef Fares conseguiram criar uma experiência cativante e surpreendentemente comovente. Brothers A Tale of Two Sons é mentalmente estimulante, emocionalmente envolvente, inovador e artisticamente um exemplo de jogos de vídeo no seu melhor.

Grande parte da natureza encantadora do jogo vem de sua única premissa gameplay. Embora o enredo parece prestar-se a jogar co-op . Quantos irmãos não passaram o tempo jogando videogames juntos ,  apesar de ser um game single-player. A partir de uma vista aérea, você está encarregado de orientar os irmãos em seus caminhos através de uma extensa série de quebra-cabeças, o encontro com o inimigo é ocasional. Não há nada parecido com isso.

 

Imagem de Amostra do You Tube

 

 

Características especiais em Brothers A Tale of Two Sons…

Para que isso seja gerenciável, os desenvolvedores mantiveram os controles incrivelmente simples. Cada joystick controla um irmão, os botões de disparo fazem os irmãos interagir com o mundo.

brothers-a_tale_of_two_sons_review_1

Brothers A Tale of Two Sons (Foto: Divulgação)

Mas isto pode ser diabolicamente complicado. Por alguma razão, mesmo que você já gastou muito tempo com um controle na mão, provavelmente  vai ter problemas para fazer duas coisas completamente diferentes de uma só vez. Em qualquer outro jogo, suas mãos trabalham juntas para fazer apenas um personagem se mover, mas aqui eles têm que trabalhar de forma independente, como se você tivesse dois cérebros.

Os quebra-cabeças não podem ser excessivamente elaborados, mas eles precisam de uma certa quantidade de coordenação, você pode precisar ter um irmão executado em uma roda de hamster, enquanto outro atravessa a ponte,  ou fazer os irmãos trabalharem  juntos para mover um objeto volumoso através de corredores estreitos. (Se você já navegou num sofá ou colchão através de curvas apertadas enquanto se move, sua experiência será muito útil aqui.) Em primeiro lugar, é fácil se frustrar e culpar o jogo por suas limitações. Mas no final, verifica-se que eles são de fato, suas limitações, e você domina a arte de mover um personagem separado com cada mão. O que era inicialmente irritante torna-se agradável.

brothers-a_tale_of_two_sons_review_2

Brothers A Tale of Two Sons (Foto: Divulgação)

Esta configuração de jogabilidade única é suficiente para fazer Brothers  A Tale of Two Sons um jogo convincente e sua narrativa inovadora completa o pacote.

Em uma das primeiras cenas do jogo, eu estava guiando os irmãos juntamente para  resolver um quebra-cabeças.  Com um garoto puxei uma alavanca e com o outro subi uma corda, e assim por diante, quando me deparei com um ogro. O ogro estava em lágrimas. Ele falou com os irmãos na língua do jogo e então ele começou a ajudar os irmãos a fazer o seu caminho através do mundo, jogá-los para plataformas mais altas e até mesmo usar seus membros para fazer uma ponte.

Sem duvida Brothers  A Tale of Two Sons é o jogo mais calmo e relaxante que já joguei. Uma experiência sensacional para quem gosta e está procurando algo diferente.

 

Conheça a Supremacia Geek, click e confira!

Supremacia Geek

 
 

Adaptado por: Gian Scaglianti

Fonte: www.cheatcc.com

Revisado por: Simone Menegussi

 
 

Brothers  A Tale of Two Sons

Brothers  A Tale of Two Sons Review

 

Gostou desse artigo? Compartilhe…